Menu
RSS


«Knock» (Um Senhor Doutor!) por Ilana Oliveira

Uma cinematografia belíssima a retratar o interior francês, a banda sonora e o carisma de Omar Sy fazem de Um Senhor Doutor! um filme tolerável. Novo trabalho de realização e argumentação de Lorraine Lévy, do bom Le Fils d’Autre, a longa-metragem conta a história de um médico que utiliza de meios não tão convencionais para atingir o sucesso após mudar-se para uma cidade localizada no interior do país.

Leveza é o que falta para a obra que peca em estereótipos de personagens e argumento indeciso. A viúva rica, a senhora tarada, o carteiro intrometido, o velho rabugento e o padre pecador estão todos aqui, além da jovem romântica que fora afastada do seu amor. Problema este que ocorre na adaptação do argumento baseado na peça Knock, ou o triunfo da medicina, escrito em 1933 por Jules Romain, já que o filme derivado torna-se datado pela superficialidade de seus personagens.

Levy faz uma tentativa de transformar o cerne da trama da obra original, mudando seu foco, e perde-se pelo caminho. Poderia retirar-se qualquer mensagem ou até “moral” sobre a história de Doutor Knock, caso sua autora não ficasse tão confusa sobre seu assunto. Racismo, abuso da medicina, hipocrisia social, jornada amorosa, ambição, tragicomédia?

Respiro aos espectadores a meio de quase duas horas intermináveis de filme, a atuação de Omar Sy faz quase com que esqueçamos as facilitações narrativas presentes em sua trajetória como médico e a evolução pífia de seu personagem. O seu carisma e alternância orgânica entre comédia e o drama cria o interesse sobre as possibilidades de seu futuro na trama, porém não há muito com que o ator consiga trabalhar.

Ao contrário do argumento, a banda sonora tem imensa dedicação ao criar temas para cada um das suas estereotipados personagens, trazendo assim uma identidade mais profunda a eles e uma camada adicional de interação para com o público. Em uma espécie de homenagem a músicos como Ennio Morricone (vale ressaltar seu trabalho em Aconteceu no Oeste, de Sergio Leone), coloca em cada um deles um timbre, ritmo, e até mesmo variações internas, diferentes.

Por fim, Um Senhor Doutor!, tenta em demasiado, mas consegue apenas ser interessante quando externaliza suas técnicas e definitivamente ousa, mostrando um belo jogo de câmaras, além de cinematografia bucólica, combinados com um bom ator principal e sua banda sonora, estes infelizmente apreciados apenas por aqueles que não se deixarem levar pelo argumento embaralhado, ou não durmam pelo desinteresse ao meio do caminho.

Ilana Oliveira



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos