«Mark Felt: The Man Who Brought Down the White House» por Jorge Pereira - C7nema
Menu
RSS

 



«Mark Felt: The Man Who Brought Down the White House» por Jorge Pereira

Em 1976 chegava aos cinemas Os Homens do Presidente, filme que colocava Robert Redford e Dustin Hoffman a contar a história dos repórteres do The Washington Post, Bob Woodward e Carl Bernstein, e como eles descobrem os detalhes do escândalo Watergate que levam à renúncia do presidente Richard Nixon.

Do outro lado desta história estava Mark Felt, o «Garganta Funda» (Deep Throat), alto responsável do FBI que se transformou em delator quando a Casa Branca começou a pressionar a agência "para levar a água ao seu moinho".

Alan J. Pakula, tal como Sidney Lumet, eram cineastas que sabiam bem os códigos da intriga política, incutindo nos seus thrillers um tom cerebral e labiríntico que nunca explodia em grandes folclores, mas que ia mantendo o espectador atento e a fervilhar pelo desenrolar dos eventos.

Mark Felt: The Man Who Brought Down the White House, para além de ser demasiado inconsequente na sua rigidez formal e muitas vezes académica, tem ainda o problema de o realizador Peter Landesman nunca ter realmente a pujança e o jeito para elevar o material e as personagens para além de figuras heróicas contracorrente que evocam os tempos que correm. Talvez sejam os recentes fenómenos como Snowden e presidentes investigados por alegada manipulação das eleições (Trump e o caso Rússia) que tenham despertado o estúdio a avançar com esta obra, mas a verdade é que este ano os escândalos presidenciais voltaram a ser moda (The Post, é outro exemplo), com Hollywood ao seu jeito capitalista a vender arte.

O resultado por aqui é uma desilusão. Como thriller político, o fime é demasiado tépido, e naquilo que até podia fazer a diferença - na incursão pela complexa vida familiar de Felt - o cineasta mostra-se tímido, embora seja de conhecimento público que os produtores o obrigaram a cortar largos minutos ao filme e que a nova versão dá muito menos preponderância à esposa do "Garganta Funda" - no filme interpretado de forma bem conseguida por Diane Lane.

É nos atores, sim, que reside o melhor, embora Liam Neeson esteja demasiado agarrado aos limites do que o guião lhe entrega. Tudo o resto, talvez por arrastão, cai na mais perfeita banalidade, desde a montagem à banda-sonora, como se a forma para vender algo assim fora do registo blockbuster fosse uma fórmula sem margem de erro. Puro engano dos produtores.

E num oceano de obras similares nos tempos modernos e pensando em outras do passado, como o já referido filme de Pakula, Mark Felt revela-se um daqueles fiascos onde uma montanha pariu um rato e uma obra com grande potencial no cinema que podia perfeitamente há décadas atrás fazer carreira exclusivamente no Home Video.


Jorge Pereira 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos