Menu
RSS


«El guardian invisible» (O Guardião Invisível) por Jorge Pereira

A explosão dos policiais nórdicos tem marcado a literatura contemporânea, tendo surgido, com mais ou menos qualidade, mais ou menos inovação, e mais ou menos personagens com carisma, autores nesta região – como Jo Nesbo, Camilla Lackberg, Lars Kepler, Liza Marklund e Arnaldur Indridason - que replicam a velha questão que os mais clássicos sempre o fizeram na sua obra.

Edgar Allen Poe, Agatha Christie, Arthur Conan Doyle, Georges Simenon e Raymond Chandler sempre povoaram os seus trabalhos com o velho Who did It?, o apaixonante 'quem matou?', questão que também invadiu o cinema, com o inesquecível Alfred Hitchcock à cabeça, ou a TV, com subprodutos que conquistaram multidões, fosse um Crime disse ela ou um Columbo e a sua famosa gabardine.

Falar de Dolores Redondo, a autora da trilogia de Baztán, onde se inclui este O Guardião Invisível, é falar desse legado e dessa tendência moderna manietada por um público faminto de mentalmente jogar ao Cluedo.

Talvez o segredo, que não é bem um segredo, é criar nessas novelas policiais personagens com suficiente drama e marcas distintivas que as transformam naquilo que são hoje: mais ou menos complexas, quase sempre ambíguas, entre a obsessão e o profissionalismo, e quase sempre como figurinhas antiheróis repletos de demónios interiores, como a hacker Lisabeth Salander da saga Millennium.

No caso de O Guardião Invisível, essa figura proeminente é Amaia (Marta Etura), investigadora (a fazer lembrar a obcecada Mireille Enos na série The Killing), a qual regressa à região onde nasceu para desvendar quem está por trás de alguns assassinatos violentos. A este componente policial é acrescentado o thriller à americana, com uma viagem ao universo dos assassinos em série, sejam eles movidos por questões morais, religiosas, traumáticas ou meros narcisistas em busca de protagonismo e poder.

Há ainda um outro elemento, que a meu ver, em conjunto com a unicidade e carisma das personagens, se revela fulcral para uma obra desta índole: o local onde tudo ocorre. No caso deste filme de Fernando González Molina, esse espaço é o vale de Báztan, marcado por paisagens imponentes e enigmáticas, um clima chuvoso e um isolamento histórico crónico que levou mesmo à criação de uma mitologia muito própria e a relações familiares marcadas por uma imponente figura matriarcal na região.

Somando todos estes elementos, Redondo criou assim um blockbuster da literatura, editado em mais de 30 países, incluindo Portugal, o qual chegou às mãos de um realizador habituado a obras muito mais jovens e de maior candura. Molina trespassou o livro para o cinema num trabalho formal e académico sem grandes laivos de atrevimento. E talvez resida nesta última frase aquilo que descreve melhor a diferença entre o cinema dito comercial - que tenta consensos arriscando pouco - e o que tem o selo de autor. Numa entrevista ao c7nema, Molina disse que não entendia as criticas que alguma imprensa espanhola fazia ao apelidá-lo de comercial. A verdade é que olhando para trás e para este O Guardião Invisível verificamos que estamos perante trabalhos extremamente profissionais, bem executados na sua narrativa visual, mas quase isentos de marca pessoal, uma assinatura que o distinga das obras literárias que adapta.

Neste caso especifico, a própria novela (ímpar pelo tom mágico da zona) vem com moldes e esquematismos de procedimentos de outras do mesmo género, e isso sente-se no filme (que incide menos nos elementos místicos da região), numa sucessão de cenas e sequências que nos remetem sistematicamente para o dèjá vu.

E nem o carisma das personagens (e aqui incluímos o espaço físico e a cultura da região, que a par de Amaia funcionam como um protagonista) conseguem verdadeiramente dar um tom de peculiar e único a esta fita, algo que a torne capaz de se destacar no meio de uma imensidão de produções semelhantes. 


Jorge Pereira

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos